Quando não dá pra fugir do destino, o melhor é se entregar e ser feliz!

Valdi Junior, pernambucano de mente inquieta que fez dos diferentes estilos musicais a estrada para sua caminhada na carreira musical. Entre as referências artísticas, grandes nomes da música como: Elvis Presley, Luiz Gonzaga, Djavan, Led Zeppelin, uma verdadeira salada de sons e tons!

A relação entre Valdi Júnior e a música começou quando ainda era apenas um bebê. Nascido em Exú, sertão pernambucano, terra do Mestre Luiz Gonzaga, Valdi também teve a sorte de ser filho do músico Valdi Geraldo Teixeira, o Neguinho do Forró,  que trabalhou com o Mestre Lua e teve a música “Nessa Estrada da Vida” gravada no disco Danado de Bom, em 1984.
“Acredito que minha relação com a música vai além do gostar, está no sangue, na pele, no coração. Quando pequeno meu pai me colocava pra dormir ao som da música Amanhã Eu Vou de Luiz Gonzaga”, explica o músico.

Com a infância repleta de ensaios e shows realizados pelo pai, Valdi construiu nas brincadeiras de criança as referências e o sonho de trabalhar com a música. Começou tocando bateria artesanal, feita de lata, com a ajuda da irmã Cecilia Tayse e do pai. Aos 9 anos, vivenciou o primeiro contato com a sanfona, mas a parceria não foi muito longe. Um ano depois foi a vez do violão. Ah, o violão! Esse foi então o xodó de Valdi. O jovem aprendeu a manusear o instrumento de forma autodidata, contanto apenas com a ajuda da internet, e o que era pra ser apenas mais um objeto passou a ser o amigo inseparável até hoje.

A prática de somente tocar não era suficiente para o menino de mente e pés inquietos. Durante a adolescência Valdi Junior conheceu a dança, o Break da cultura Hip-Hop e foi nesse período que sua cartela musical foi sendo ampliada. Xote, baião e xaxado, típicos da sua região ganharam alguns companheiros como o Rap, Blues, MPB com Caetano Veloso e Djavan. O gosto pelas diferentes estéticas artísticas levou o menino arteiro aos palcos, não para tocar ou dançar, dessa vez para interpretar. Foram duas participações no teatro, a primeira na peça Paixão de Cristo, dirigida por Cícero Mendes e, logo em seguida, o personagem “Viturino” da obra A Cumbuca ganhadora de vários festivais de teatro no nordeste, escrita por Zé Alberto, que mais adiante se tornou seu parceiro no trabalho musical.

Quando tudo se encaminhava para um futuro promissor do jovem no imenso mundo das artes, o medo dos percalços incertos, instáveis, da profissão musical, fez os pais amorosos, Valdi Geraldo e Suelida Muniz, pedirem ao filho para trilhar um novo percurso. “Seguindo o conselho dos meus pais que temiam as dificuldades do mundo da música, resolvi me focar nos estudos. Ingressei na faculdade de Análise e Desenvolvimento de Sistemas em Juazeiro do Norte – CE, onde terminei o curso e segui trabalhando na área chegando a me especializar em Gerenciamento de Projetos.” Mas quando temos um destino a cumprir, não adianta fugir, se esconder ou se esquivar. Ao longo do caminho Valdi conheceu Valéria Wilma Saraiva Tavares, hoje sua esposa e incansável incentivadora. Com o apoio da companheira, o sonho voltou a tomar seu lugar. “Entre 2013 e 2014 resolvi ouvir meu coração e me entregar de corpo, alma e voz para o meu sonho. Cumprir o que estava destinado a fazer, o que está no sangue, então voltei a trabalhar com música de uma forma mais séria, produzi um show com meu parceiro e amigo que segue junto comigo até hoje Jonnez Bezerra, e começamos a fazer shows em barzinhos, em Exu e no Cariri”, explica Valdi com um sorriso no rosto.

Em 2015, Valdi saiu de sua zona de conforto e passou de intérprete a autor. Suas composições tiveram a ajuda importante dos amigos Jonnez Bezerra, Laércio Filho, Damon Inácio e Estevão Nunes. Suas primeiras autorias foram apresentadas no festival Equalize, realizado na cidade do Crato-CE. De lá pra cá não parou mais. A aceitação da música alternativa é crescente. O resultado pode ser sentido pelo número de acessos nas mídias sociais do vídeo da música autoral Pelo Avesso, no qual teve a parceria de Zé Alberto. Mais de 5 mil visualizações até o momento. Na obra Valdi Junior canta ao lado da cantora e compositora Nuria Mallena, consagrada pela música Quando Assim, tema da novela Cordel Encantado, da Rede Globo. Assim também como no vídeo da música Marionete, parceria com Estevão Nunes, com mais de 5 mil acessos. Números que serviram como uma injeção de ânimo e estímulo para Valdi ir além. “Hoje, no show, além das músicas autorais, tenho interpretações como Respeita Januário de Luiz Gonzaga, tocada no estilo Rockabilly, a música Juazeiro tocada como Blues, Lamento sertanejo do grande Dominguinhos, entre outras. E agora em março finalmente concretizei o início de algo muito maior, lancei meu primeiro EP intitulado Pelo Avesso. Atualmente, minha banda é formada por Jonnez Bezerra (Teclados e Acordeom), Laércio Filho (Bateria), Mizael Moura (Baixo Elétrico) e Weskley Sousa (Guitarra). O show passa por minhas composições e interpretações onde misturo o acordeom, típico da cultura nordestina, guitarras do rock e o violão da MPB, juntando tudo isso a algumas poesias que costumo recitar em shows. Uma verdadeira salada de sons e tons que vem dando bastante certo”.

Para o futuro, o que se esperar de um jovem com mente visionária, inquieta e cheia de estilo? No mínimo, muitas boas e gratas surpresas!